quinta-feira, 19 de agosto de 2010

E IV

E sempre me localizava. Eu – confesso, também não fazia nada para me ocultar. Naquela tarde, E telefonou, pedindo ajuda. Disse que viesse. Profundo conhecedor de E, aguardava-a. Não veio nem deu notícia. E começava a gostar de mim e eu já percebera isso. Lembro-me ter dito estar em casa. Até agora, nenhum sinal de E. Não importa onde esteja, E sempre dá um jeito. Sua vantagem é a docilidade. E se empanturra de mim. Quando vem.

Um comentário:

  1. Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras, para o pensamento, para tornarmos mais claros nossos caminhos... Ao mesmo tempo em que te mobilizo para removermos este triste índice de 2 livros/ano por leitor brasileiro (na Argentina são dezoito livros/ano),
    te convido a conhecer meus romances. Em meu blog, três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço e boa leitura!
    João Bosco Maia

    ResponderExcluir